Quer seja uma corporação em expansão ou uma empresa iniciante, o financeiro está sujeito a uma verdade inegável. O sucesso do negócio se relaciona intimamente com o desempenho de sua supply chain. Para quem deseja sucesso nos negócios, é preciso também fazer com que sua cadeia de suprimentos seja bem-sucedida.

Obviamente, é útil ter algumas estatísticas disponíveis para validar a declaração acima. Primeiro, porém, como o tópico é “sucesso nos negócios”, vamos esclarecer como isso procede.

O que é supply chain?

De tanto ouvir falar aqui e ali, várias pessoas devem estar se perguntando: o que é supply chain? Essa é uma expressão na língua inglesa que significa “cadeia de suprimentos”. Para diversos estudiosos no assunto, é considerada também como cadeia logística.

Tal conceito abrange desde as fabricações até as entregas dos produtos aos clientes finais. Por englobar diversas etapas, não se pode deixar de entender mais profundamente o que é supply chain para reconhecer sua importância.

Não basta só entender o que os termos significam, mas é preciso compreender o que está na prática. Uma cadeia de suprimento se compõe por diversas fases, variando conforme o produto.

De acordo com a eficácia desse processo, um consumidor final comumente será impactado, quer seja positiva ou negativamente. Então, é por conta disso que não se pode reduzir as logísticas às empresas que fabricam a mercadoria.

Exemplos práticos

Um comerciante, que somente revende os produtos, também se afeta. Ele necessita compreender quais serão os aspectos que envolverão a produção, como:

  • Um curto prazo para entrega;
  • Períodos com sazonalidade (onde está em alta ou em queda nas demandas);
  • Formas de trabalhos dos fornecedores.

Já no caso de empresas que atuam no segmento industrial, administrar a cadeia logística pode ser bastante complexo. Isso porque etapas diferentes acontecem.

Mesmo dessa forma, é importante entender e monitorar os funcionamentos de todos os processos, uma vez que evita imprevistos, o que acaba afetando os consumidores finais. Assim, a supply chain impacta várias situações na vida social, pessoal e profissional.

Por exemplo: um indivíduo teve problemas no recebimento de uma mercadoria comprada pela internet; deixou de frequentar um restaurante, pois o prato que queria comer estava fora do menu.

Os erros citados acima estão dentro das responsabilidades do setor de gestão de supply chain, ou supply chain management.

O termo se refere ao gerenciamento de insumos, planejamentos estratégicos, serviços das informações, bem como todo combustível que faz funcionar cada uma das etapas dos processos produtivos.

Logística x suprimentos

É possível notar que em várias situações os dois termos acabam se interceptando. Diversas pessoas, dessa forma, acabam os considerando sinônimos. No entanto, existem pesquisas divergentes com relação a tal situação, atestando que há disparidades entre cadeia de suprimentos e logística.

Em resumo, as discussões giram em torno das aplicações de cada expressão. Diz-se que a logística se volta mais para a integração dentro de uma organização. Já a supply chain se relaciona com as integrações entre empresas (fabricantes, fornecedores, distribuidores, etc).

Isso quer dizer que a logística possui a responsabilidade do gerenciamento das compras de insumos, armazenamentos e transportes. Já a cadeia de suprimentos trata da parte mais estratégica dos processos.

Mas, se os dois termos forem utilizados em conjunto, temos uma Logística Integrada.

O que significa SCM?

Dentro do assunto, esse é um dos termos mais pesquisados e que geram dúvidas. Contudo, as respostas podem ser extremamente simples. Essa sigla SCM quer dizer supply chain management (gerenciamento da cadeia de suprimentos).

O SCM, em suma, não é nada mais que as integrações e os aperfeiçoamentos dos processos produtivos, desde:

  • Negociações;
  • Parcerias;
  • Entrega dos produtos finais aos clientes.

Supply chain e o sucesso nos negócios

Existe uma média que relata que cerca de 79% das empresas com cadeias de suprimentos de alto desempenho alcançam crescimento de receita superior à média em seus setores.

Por outro lado, apenas 8% das empresas com supply chains menos capazes relatam crescimento acima da média. Essas informações destacam, como nunca, a importância das inter-relações entre setores.

Cerca de 50% das empresas, independentemente de seu tamanho, falham ou fecham dentro de cinco anos após o lançamento. Então, deduz-se que o baixo desempenho da supply chain geralmente contribui para falhas corporativas ou de negócios. Da mesma forma, pode-se supor que, em muitos casos, as empresas que falham o fazem devido a problemas financeiros.

A supply chain management é uma categoria que inclui um número crescente de:

  • Corporações;
  • Empresas de médio porte;
  • Pequenas empresas.

Mais uma vez, não é difícil ver como a saúde financeira de uma organização depende da cadeia de suprimentos. Aqui estão mais alguns fatos preocupantes, para completar o quadro geral do sucesso comercial e sua dependência.

O profissional da área

Existem várias dúvidas acerca do profissional que gerencia uma cadeia de suprimentos. Ele é comumente chamado de gerente de supply chain ou, em inglês, supply chain manager.

Tal profissional tem a responsabilidade de manter as estruturas de produção adequadas para que os produtos cheguem aos consumidores da forma mais assertiva possível. Portanto, sua competência engloba:

  • Rapidez em todos os processos;
  • Entregas rápidas e seguras;
  • Atendimentos assertivos das demandas;
  • Diminuição dos custos dos processos;
  • Dentre outros.

É importante ressaltar que as preocupações de um gerente de supply chain precisam abordar uma boa qualidade dos produtos. Isso sem contar com a satisfação dos clientes. Estas são duas bases primordiais dessa cadeia.

Não tem sentido algum criar estratégias em parceria com fornecedores, deixando de lado a qualidade dos produtos. Do mesmo jeito que é ineficiente adquirir ótimos produtos, porém, atrasar na entrega para os consumidores finais.

Os 5 principais pontos das supply chains para abordar o sucesso comercial

1. Estratégia da cadeia de suprimentos

Parece que muitas empresas ainda não entendem o fato de que a supply chain é o coração da instituição. Melhor, é a força vital e a espinha dorsal de uma organização, tudo em um.

Se a empresa não concentrou muita atenção nessa estratégia, agora é a hora de começar. Mesmo que isso signifique pedir ajuda externa. Uma estratégia de supply chain management projetada adequadamente é um facilitador para o alcance de objetivos comerciais e, consequentemente, para o sucesso corporativo.

O que significa “bem projetado”? Isso significa que a estratégia de cadeia de suprimentos deve apoiar a estratégia geral dos negócios. Em muitas organizações, infelizmente este não é o caso.

É importante lembrar de que a má gestão estratégica é um fator que influencia muito na falha dos negócios. Se uma coisa não estiver alinhada à outra, o trabalho de recuperação será muito maior.

2. Projeto de rede de supply chains

Juntamente ao design da estratégia, o design da própria supply chain, especialmente a parte que lida com a distribuição de saída de fábricas ou armazéns, é fundamental para o sucesso ou fracasso do empreendimento.

Dado esse impacto no sucesso dos negócios, é desconcertante perceber que apenas 22% das empresas adotam uma abordagem ativa para o design da rede da cadeia de suprimentos.

De resto, pode não haver estrutura predefinida para a movimentação de materiais e produtos através dos estágios de realização.

Normalmente, as redes evoluem através de uma série de mudanças e desenvolvimentos discretos, cada um atendendo às necessidades à medida que surgem.

Uma abordagem despreparada pode resultar em:

  • Custos desnecessários;
  • Falta de resiliência;
  • Desafios indesejados no atendimento aos requisitos de atendimento ao cliente.

Com exercícios de revisão e otimização do design, é bem possível que a empresa encontre oportunidades de melhorias em economias e serviços. Isso talvez seja o suficiente para melhorar substancialmente as chances de sucesso nos negócios.

3. Desempenho do serviço da cadeia de suprimentos

O crescimento lucrativo da receita é um sinal claro de progresso. E um dos fatores mais críticos que impulsionam o crescimento lucrativo é o atendimento ao cliente e, mais importante, a sua satisfação.

A satisfação do cliente é altamente dependente da supply chain, e as organizações devem ter isso em mente. Isso significa que o cliente deve ser o foco principal ao considerar a estratégia, o design da rede e o gerenciamento de desempenho.

O desempenho de sua cadeia de suprimentos, sem dúvida, afetará a percepção dos clientes sobre seus negócios e o serviço que eles recebem.

Os seguintes problemas de desempenho podem ter um impacto negativo com o consumidor dos produtos e serviços. Portanto, podem dificultar o sucesso do negócio. Veja:

  • Tempo de comercialização lento para novos produtos;
  • Prazos de entrega longos;
  • Atrasos em resposta a solicitações de serviço ao cliente;
  • Fraco preenchimento de pedidos e desempenho de entrega no prazo;
  • Escassez de estoque;
  • Má qualidade do produto ou serviço.

Se a instituição reconhecer algum desses problemas dentro da supply chain management, não é preciso se desesperar. Desde que seja possível identificar as causas principais e começar a resolvê-las, o caminho será bem-sucedido. Por sua vez, o desempenho operacional e o sucesso nos negócios estarão sob maior controle.

Embora as causas principais dos problemas de desempenho estejam frequentemente conectadas a fragilidades na estratégia e/ou no design da rede, esse nem sempre é o caso.

Se a estratégia for bem considerada e alinhada com as metas de negócios, alguns dos problemas na lista acima podem ter causas fáceis de resolver.

Por exemplo, falhas de desempenho do fornecedor podem causar problemas com:

4. Custos da supply chain

O custo de atender à demanda é uma das maneiras mais reveladoras de como a supply chain é importante para o sucesso dos negócios. As despesas podem compor uma grande proporção dos custos do produto. Enquanto isso, o estoque excessivo no sistema pode comprometer o capital de giro e sufocar o fluxo de caixa.

Investigar os custos de atendimento aos clientes é uma maneira de entender como os custos da cadeia de suprimentos afetam o progresso empresarial. O uso de uma metodologia conhecida como “análise de custo” frequentemente revela realidades chocantes.

Ao entender quais clientes não são lucrativos ou geram lucros mínimos, a empresa pode tomar medidas para reduzir o custo de atendê-los. O mesmo se aplica a certos produtos da sua gama, alguns dos quais inevitavelmente incorrem em mais custos do que outros no:

  • Processo de fabricação ou compra;
  • Armazenamento;
  • Processo de entrega.

Em tudo isso, é essencial reconhecer que a linha entre o corte de custos adequado e excessivo das supply chains é boa. De fato, em vez de focar apenas na redução, a ênfase deve estar em aparar processos e atividades que não agregam valor.

Algumas das maneiras pelas quais as despesas mal gerenciadas da cadeia de suprimentos podem aumentar os custos do produto estão listadas abaixo:

  • Altos custos de transporte;
  • Custos de aquisição;
  • Custos de estoque e armazenamento;
  • Resíduos na cadeia de suprimentos;
  • Gerenciamento inadequado de inventário;
  • Precisão de previsão ruim.

Essas são todas as áreas a serem examinadas em detalhes, caso seja preciso verificar o suporte desse setor. Uma grande quantidade de custo pode ser efetivada, não por fazer cortes em si, mas por:

  • Melhorar;
  • Simplificar;
  • Otimizar.

5. Desempenho do fornecedor no supply chain

A cadeia de suprimentos, como o próprio nome sugere, é tão forte quanto seu elo mais fraco. Até certo ponto, os fornecedores mantêm o sucesso de seus negócios (ou a falta deles) em suas mãos. É por isso que é essencial trabalhar em colaboração, pelo menos com os principais fornecedores, para tentar minimizar a incerteza da supply chain.

A incerteza na cadeia de suprimentos custa dinheiro e afeta o atendimento ao cliente. Isso o torna um fator particularmente perturbador no desempenho geral das organizações. A colaboração entre a instituição e seus principais fornecedores é a única proteção segura contra gargalos de fornecimento e escassez de estoque, os quais, de outra forma, podem atrapalhar o sucesso financeiro.

É importante ressaltar que, aos olhos dos clientes, não há distinção entre o desempenho dos fornecedores e o da própria empresa. As melhores instituições já reconhecem esse fato há algum tempo e respondem adequadamente com resultados positivos.

Essas organizações não apenas alavancaram o gerenciamento de fornecedores para manter padrões de serviço exemplares, mas também obtiveram reduções nos custos da supply chain.

Como a Rabbot facilita a gestão de supply chain de frotas e ativos?

A Rabbot atua com uma metodologia moderna que coleta, organiza e automatiza tarefas relacionadas à gestão de frotas e ativos. Assim, nosso sistema é útil para participar de diversas fases da cadeia de suprimentos, especialmente no que diz respeito aos transportes e à logística.

Como cuidamos de todas as fases da vida do ativo, desde a gestão de manutenção preventiva e corretiva até a aceleração de processos de sinistros, garantimos que ocorram menos pausas não programadas, auxiliamos a aumentar a vida útil do ativo e garantimos mais previsibilidade e segurança nos processos. 

Fale hoje mesmo com um de nossos especialistas e entenda como podemos auxiliar no controle e na proteção de seus ativos!

Share This